Expressionismo: da Alemanha para o mundo

Entre tantas correntes artísticas representativas no mundo da Arte, podemos dizer que o Expressionismo é o que chega mais perto da essência humana.

Afinal, como conceito b√°sico do movimento, ela √© conhecida por expressar a ‚Äúarte do instinto‚ÄĚ por meio de pinturas subjetivas e dram√°ticas, revelando os mais diversos sentimentos da humanidade.

Com origem na Alemanha do começo do século XX, precisamente entre os anos de 1905 e 1930, tem forte presença pelo uso de cores quase que inexistentes!

√Č assim que o expressionismo consegue dar as formas √ļnicas e pl√°sticas ao ci√ļme, amor, medo, mis√©ria humana, solid√£o e at√© a prostitui√ß√£o.

Dando mais valor a obras emocionais do que as intelectuais, o expressionismo sempre se utilizou da deforma√ß√£o de figuras para deixar essas emo√ß√Ķes serem mais ressaltadas!

Definindo as características do movimento

Com tanto sentimento abstrato a ser explorado, o expressionismo ficou marcado por v√°rias propriedades com origem puramente humana. Entre elas, destacamos:

  • Tintura espessa e √°spera;
  • T√©cnica abrupta;
  • Prefer√™ncia pelos aspectos tr√°gico e sombrio da humanidade;
  • A pesquisa da psicologia;
  • Dinamismo inesperado e improvisado;
  • Cores vivas e vibrantes.

Vale lembrar ainda que v√°rios historiadores localizam alguns artistas proeminentes dentro do movimento ‚ÄĚp√≥s-impressionista‚ÄĚ.

Pois, para n√£o destruir os efeitos impressionistas, eles almejaram lev√°-los para al√©m das barreiras do chamado ‚Äúexpressionismo cl√°ssico‚ÄĚ.

Confira abaixo os grandes pintores do expressionismo que destacamos para você saber mais!

Tudo sobre os grandes artistas do Expressionismo

Paul Cézanne

Nascido em 1839 e falecido em 1906, criou suas primeiras telas com muito apelo erótico. Mas seu temperamento tenso e perto do neurótico ajudou a contribuir para consolidar sua imagem de excêntrico.

Mesmo aderindo √† t√©cnica do Expressionismo, aos poucos foi criando sua pr√≥pria linguagem, afirmando seu nome como o ‚Äúpai da arte moderna‚ÄĚ.

Mas a fama s√≥ chegaria no ano de 1995, onde sua primeira mostra individual acabou por revelar toda sua genialidade. Triste saber que, em √ļltimos anos, estava s√≥, vivendo no interior de Proven√ßa.

Lá, ele por fim provou por que vivera apenas para a Arte, dedicando sua vida e pintando intensamente até sua morte.

Vincent van Gogh

De 1853 a 1890, Van Gogh viveu para se empenhar a criar e recriar toda a beleza presente na natureza e na humanidade. E usando-se das cores, algo fundamental para sua arte, ele genialmente conseguiu!

Apesar de ser solit√°rio, foi a partir dos trabalhos de Gauguin que ele se decidiu a simplificar as formas humanas e qualquer efeito de luz e ainda a investir nas cores mais bem definidas.

No ano de 1888, ao se mudar de Paris uma cidade francesa mais ao sul, ele iniciou uma fase de cria√ß√Ķes mais ao ar livre. Com o sol inspirador do mediterr√Ęneo a sua pintura mudou!

Nessa √©poca Van Gogh se libertou de todo naturalismo empregado nas cores.¬†Aprimorando-se nas cores mais puras e intensas, ele criou uma linha de obras que representassem melhor nossas emo√ß√Ķes.

Mas, entre diversas crises nervosas, interna√ß√Ķes e tratamentos, ele se mudou para o norte da Fran√ßa.

Apenas nos três primeiros meses, ele chegou a pintar cerca de oitenta obras dentro do estilo do Expressionismo!

Nesse mesmo ano, ele se suicidou. Mas, hoje, chegamos a contabilizar uma coleção de obras plásticas de quase 900 pinturas, mais de 1700 desenhos e gravuras.

Embora não fosse reconhecido na época, seu legado foi essencial para o primeiro passo rumo à Arte Moderna!

Toulouse-Lautrec

Provavelmente o maior artista gráfico de sua época, Lautrec (1864-1901) é um ícone quando o assunto são seus cartazes inovadores acerca das casas noturnas de Paris!

Isso porque, apesar da origem aristocrática, ele era assíduo dos bordéis e cabarés da noite parisiense. Sua arte reflete o cotidiano noturno da capital francesa até o início da década de 1890, quando ele fora vencido pelo alcoolismo.

Triste √© ter que registrar que sua morte foi tola: com apenas 36 anos e em plena decad√™ncia f√≠sica….

Edvard Munch

O artista norueguês, nascido em 1863 e falecido em 1944, foi um dos pioneiros de sua época a dar às cores um valor mais subjetivo e até simbólico, bem distante de alguma representação realista.

Munch iniciou sua formação na capital, Oslo, mas foi numa viagem a Paris que ele chegou a conhecer os mestres Lautrec, Gauguin e Van Gogh.

No seu retorno √† Alemanha, ele chegou a ser convidado para a exposi√ß√£o da Associa√ß√£o¬†de Berlim. Vivendo na Alemanha em 1907, a√≠ ele entrou na rota das grandes exposi√ß√Ķes.

Sua obra mais imortal √© ‚ÄúO Grito‚ÄĚ, de 1889. Esse √© um √≥timo exemplo entre todos os temas que sensibilizaram pintores ligados √† tend√™ncia do expressionismo!

Na obra, a figura humana n√£o apresenta suas reais linhas, embora ela se contor√ßa sob a a√ß√£o das emo√ß√Ķes.

Nos traços sinuosos da água e do céu, assim como perspectiva diagonal da ponte, tudo conduz o olhar do visitante à boca do protagonista, retratada num ato de gritar instigante.

Em poucas linhas, Munch recusou o obvio e retratos mais pacíficos, investindo com beleza na dor e na tragédia que refletem suas pinturas.

Kirchner

Um dos grandes artistas a fazer parte do movimento de expressionismo, Kirchner ainda apresenta influências tanto do cubismo quanto do fauvismo.

Com muito talento, o pintor alemão, que nasceu em 1880 e faleceu em 1938, aliou a geometria às cores.

Com isso ele eliminou de vez a ideia decorativa das telas e inseriu ambientes mais contrastantes e até agressivos para manifestar como era sua versão da realidade.

Nas fases mais inspiradas, Kirchner chegou a ser ousado na criação de paisagens naturalistas e retratos de nudez, assim como as clássicas cenas circenses.

Ao ter sua contribuição reconhecida para a Arte alemã, ele chegou a ser nomeado membro da Academia de Berlim, em 1931. Embora, seis anos depois, na época do nazismo, viu sua obra ser desprestigiada e destruída pelos órgãos de censura de Hitler.

Enfim, o mestre Kirchner tentou provar com suas obras a existência de uma realidade decadente. Influenciado ainda por todos os resultados de uma guerra, suas telas viraram uma cena caótica, neurótica e com excesso de ásperas.

Caracter√≠sticas do expressionismo presente na sua vida como um belo produto da sua tristeza…

Ao fim do ano de 1938, ele foi outro mestre da pintura que acabou por tirar a própria vida. Mas seu legado está espalhado pelos melhores e mais consagrados museus de arte moderna da Alemanha.

Leave a Reply