Ovo Farbegé

Ovo Farbegé: uma obra prima da joalheria

Em 1916, em S√£o Petersburgo, na R√ļssia, o ourives Peter Carl Faberg√© supervisionava a produ√ß√£o de dois pares de Ovo Farbeg√© decorativos e opulentos. Os objetos eram destinados aos presentes reais de P√°scoa, apresentados √† imperatriz Maria Feodorovna e √† czarina Alexandra Feodorovna em abril de 1917. Mas as mulheres imperiais nunca veriam esses ovos, nem Faberg√© os acabaria.

Quando os bolcheviques tomaram São Petersburgo, o domínio Romanov de três séculos de duração chegou a um fim violento e tumultuado. A família foi forçada a sair da cidade e deixou para trás cinquenta unidades de Ovo Farbegé, criados entre 1885 e 1916. Lembranças pequenas, mas extremamente luxuosas do grande reinado da dinastia.

Um s√©culo depois, o Ovo Farbeg√© continuaria a ter uma posi√ß√£o inigual√°vel na hist√≥ria das artes decorativas. Sem d√ļvida, √© realmente incomum ter uma obra de arte decorativa (que n√£o uma pintura) que tenha tanta resson√Ęncia cultural quanto o Ovo Farbeg√©. De fato, seu impacto cultural pode descrito como uma ‚ÄúMona Lisa do mundo das artes decorativas‚ÄĚ.

Casa Farbegé

A Casa Faberge teve um in√≠cio extremamente humilde. Afinal, Peter Carl Faberg√© nem sempre foi o joalheiro oficial da Corte Russa. Na verdade, o pai de Peter o treinou como ourives em S√£o Petersburgo, antes de abrir uma joalheria no por√£o. Sem d√ļvida, Faberg√© passou por um extenso treinamento, ensino e estudo de ourivesaria.

Em 1882, ele assumiu o negócio da família quando seu pai faleceu, e naquele ano o czar Alexandre III viu parte do trabalho de Fabergé em uma exposição. O czar foi cativado e ordenou que os itens fossem exibidos no Museu Hermitage do país como exemplos de arte russa moderna de primeira linha.

Ovo Farbegé

O primeiro Ovo Farbegé

O primeiro Ovo Farbeg√© remonta ao ano de 1885, quando o czar russo Alexandre III encomendou um presente de p√°scoa para a imperatriz Maria Feodorovna, sua respectiva esposa. Afinal de contas, o feriado est√° entre as celebra√ß√Ķes mais importantes do calend√°rio eclesi√°stico ortodoxo da R√ļssia.

Assim, Alexander recrutou o premiado mestre ourives Peter Carl Faberg√©. O artista ‚Äď que deu seu sobrenome ao c√©lebre ovo – administrava a Casa Faberg√© desde 1882, depois de herd√°-la uma d√©cada antes de seu pai joalheiro. Em suma, Faberg√© era conhecido por criar objetos sofisticados e j√≥ias, al√©m de ajudar nas restaura√ß√Ķes do Museu Hermitage, em S√£o Petersburgo.

Como Fabergé era um homem culto e instruído na história da arte, acredita-se que ouvires tenha baseado o primeiro Ovo Farbegé em um ovo real do século dezoito, que ele vira no museu da Alemanha. O ovo, que acreditam ter servido de inspiração, era feito em ouro, bem como a galinha, a coroa e o anel que o acompanhavam.

Ao que tudo indicado, analisando o ovo dourado, Faberg√© criou sua pr√≥pria vers√£o, que se abria para uma gema de ouro onde uma galinha era escondida. Essa, por sua vez, dava entrada para um pingente. A “surpresa” final ‚Äď isto √©, o pr√™mio escondido dentro de cada Ovo Faberg√© – veio de acordo com o pedido do czar.

Depois disso, Fabergé recebeu carta branca para criar o que quisesse, mas tudo tinha que ter alguma influência da própria família. Assim, a cada ano, durante três décadas, Fabergé idealizou seus próprios projetos e liderou a produção dos ovos imperiais de Páscoa, conhecidos hoje como Ovo Fabergé.

Afinal, quando Alexandre III morreu, em 1894, o czar Nicolau II, seu filho, manteve viva a tradição e aumentou as apostas: ele começou a encomendar dois ovos anuais, um para Maria, sua mãe, e outro para Alexandra, sua esposa.

Cada Ovo Faberg√© √© uma pe√ßa √ļnica e exclusiva

De fato, os ovos eram inteiramente √ļnicos e exclusivos, produzidos com uma variedade de materiais, do ouro ao quartzo hialino. Al√©m disso, cada Ovo Faberg√©¬† era sempre cercado por pedras preciosas e gemas, como esmeraldas, p√©rolas e diamantes.

Eles tamb√©m variavam em tamanho, de menos de cinco at√© quinze cent√≠metros de altura. Muitas vezes ‚Äď embora nem sempre -, poderiam ser abertos para revelar uma surpresa. Ou seja, era muito mais do que o aspecto externo do ovo. Eles eram, de fato, um embrulho requintado de presente mais caro que algu√©m poderia fazer.

√Č como um Kinder Ovo, muito comum para os brasileiros por seus ‚Äúbrindes‚ÄĚ no interior. Por√©m, claro, com um valor, uma exclusividade e um requinte art√≠stico que os coroava. Sem d√ļvida, mesmo enquanto ainda estavam sendo produzidos, os Ovos Faberg√© eram considerados como artisticamente inovadores.

Eles eram a peça de assinatura de Fabergé. Mesmo naquela época, o Ovo Fabergé já possuía uma magia, pois todos sabiam que eles representavam um status e um conceito. Isso influenciou outros artistas, na época, que tentaram fabricar seus próprios ovos baseados na premissa de Fabergé.

Ovo Farbegé

A arte inovadora e incansável do Ovo Fabergé

De fato, a Casa Faberg√© tamb√©m era conhecida por fazer ovos para clientes ricos fora da fam√≠lia imperial na √©poca. Por isso, a cada ano, Faberg√© reinventava a tarefa, empregando materiais inesperados ou novos dispositivos, como rel√≥gios ou aut√īmatos, como pequenos p√°ssaros ou elefantes.

O Ovo Faberg√© mais ic√īnico existente hoje, de acordo com especialistas, √© o Ovo da Coroa√ß√£o, produzido em 1897. O Ovo da Coroa√ß√£o, como o nome sugere, comemorava a coroa√ß√£o imperial de Alexandra. O ovo, que cont√™m padr√Ķes gravados e diamantes, √© uma r√©plica em miniatura da carruagem do s√©culo dezoito que transportou a imperatriz no dia da cerim√īnia imperial.

Podia-se abrir as pequenas portas da carruagem e puxar um banquinho, e dentro dele haveria um pequeno ovo de diamante (que, infelizmente, j√° se perdeu). Nos dias de hoje, o Ovo da Coroa√ß√£o se encontra no Museu Faberg√©, em S√£o Petersburgo. Atualmente, sabe-se que quarenta e tr√™s dos cinquenta ovos imperiais originais existem e podem ser encontrados em museus e cole√ß√Ķes particulares em todo o mundo.

De fato, o Ovo Farbeg√©, s√≠mbolo de riqueza, nobre e requinte art√≠stico, continua a capturar o imagin√°rio e cobi√ßa do p√ļblico. Embora a opul√™ncia dos ovos imperiais originais permane√ßa limitada √†s primeiras edi√ß√Ķes produzidas por Peter Carl Faberg√©, a Casa Faberg√© continua fabricando ovos de luxo, j√≥ias requintadas e objetos de arte h√° um s√©culo.

Leave a Reply